CDL INFORMA

NOTÍCIAS

31/07/2018 16:04

MPE investiga fraudes cometidas por ex-presidente da Fecomércio

Hermes Martins teria cometido fraudes após suceder Pedro Nadaf no comando da entidade

  • Fonte: FolhaMax
Foto: Reprodução

O Ministério Público Estadual instaurou um inquérito civil para investigar as supostas irregularidades envolvendo o ex-presidente da Fecomércio, Hermes Martins Cunha. A representação foi movida por sindicatos de empresas dos ramos atacadistas e varejistas de diversas áreas.

O responsável pela investigação é o promotor Mauro Zaque de Jesus, da 11ª Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa da Capital. Ele considerou que existe a necessidade de apurar mais informações, pois Ministério Público “ visa garantir transparência, lisura e eficiência na gestão da coisa pública”. 

O MPE ainda pediu sigilo nas investigações, pois segundo o órgão, a publicidade poderá atrapalhar. “Determino a retificação da autuação com anotações devidas no sistema, dando-se publicidade na forma do artigo 11 da Resolução nº 052/2018, pois decreto o sigilo nos termos do artigo 77, “caput” e seu § 4º, da mesma resolução, visto que a publicidade do caso poderá acarretar prejuízo às investigações, na medida em que impeça a constatação do fato”, diz trecho da portaria que instaurou o inquérito.

Hermes Martins Cunha assumiu a presidência da Fecomércio em setembro de 2015, após a prisão do ex-secretário Pedro Nadaf, que dirigia a entidade. Ele permaneceu no cargo até junho de 2018, após perder a eleição interna para o empresário “Júnior da Verdão”.

O mandato de Hermes foi cercado de polêmica. Dirigentes sindicais acusaram o ex-presidente de diversas irregularidades e falta de transparência junto a Fecomércio.

Uma das denúncias aponta que Hermes Martins estaria ocultando diversas fraudes cometidas, em tese, pelo antigo presidente Pedro Nadaf. Entre elas, de que Nadaf usou as contas da entidade para “lavar” mais de R$ 300 mil desviados dos cofres públicos.

 No mandato de Hermes, a Fecomércio ainda é acusada de realizar um investimento de R$ 1,3 milhão, por meio de duas reformas, em um imóvel de propriedade de Yasmin Jamil Nadaf, irmã de Pedro Nadaf.

Por conta da falta de transparência, Hermes chegou a ser afastado em fevereiro deste ano numa assembleia geral da Fecomércio. Contudo, retornou dias depois por decisão da Justiça do Trabalho.

Comentários

SEJA O PRIMEIRO A COMENTAR

Comentar